Para que estudar filosofia, afinal?

21 de maio de 2018

Por Gustavo Bertoche | Muitas vezes a pergunta sobre o objetivo da filosofia já foi feita e respondida. Algumas respostas são boas: é o caso da resposta de Paulo Ghiraldelli Jr., que afirma que a filosofia tem o objetivo de desbanalizar o banal – o que quer dizer que a tarefa da filosofia é mostrar que tudo que achamos muito simples e evidente no mundo é, na verdade, muito surpreendente, e que nossa apatia diante da existência não é mais que um estado de infeliz sonolência da qual a atividade filosófica nos desperta.

Outras respostas são idiotas: é o caso de quem afirma que a filosofia tem valor por si mesma, que é uma atividade sem finalidade imediata, e que é a única disciplina que prescinde de justificação. Esse tipo de resposta à pergunta sobre o objetivo da filosofia é má porque quem afirma isso não sabe o que é filosofia, mas finge saber. E se é um professor quem diz que a filosofia reserva-se o direito de não ter objetivo, tanto pior, pois só demonstra que, além de não saber os fundamentos do que leciona, dedica sua vida a uma atividade que acredita não ter sentido. Um sujeito que trabalha numa profissão em que não vê sentido é um idiota.

Para responder à pergunta do título, é necessário compreender, em primeiro lugar, que a filosofia tem um objetivo. O objetivo mais imediato da filosofia é o mesmo objetivo último de todas as ciências teóricas: ordenar o conjunto de percepções subjetivas e intersubjetivas a respeito da realidade.

Adoto aqui a palavra “ciência” no sentido mais lato. Assim, a filosofia é uma ciência, assim como a física, a sociologia, a psicologia e até a astrologia. Note que utilizo o objetivo das ciências teóricas como componente da sua definição: todas as ciências teóricas têm o objetivo de ordenar a realidade.

A filosofia também. O que os filósofos fizeram e fazem é tentar, cada um a seu modo, ordenar a realidade. (Por isso, a partir do significado da palavra κόσμος , “Cosmos”, que significa “ordem”, toda filosofia, assim como toda ciência teórica, é uma cosmologia). Os filósofos procuram uma ordenação da realidade adequada aos conceitos que possuem; se os conceitos, especialmente os conceitos a priori, são dinâmicos e mudam de lugar para lugar, de língua para língua, de geração para geração, então é óbvio que os filósofos sempre estão procurando por uma nova organização conceitual que signifique uma ordenação mais coerente e mais plausível.

Para buscar essa ordenação, os filósofos sempre partem da configuração conceitual dos filósofos anteriores, desde Sócrates, Platão e Aristóteles até os filósofos do século XXI. Por isso, a linhagem da filosofia é ininterrupta desde seu início, e podemos dizer que os filósofos de hoje são, de fato, herdeiros intelectuais do trabalho de Sócrates; os filósofos estudam a história da filosofia justamente para que, por meio da conexão com os filósofos do passado, não encontrem soluções que já foram descobertas e rejeitadas sobre os problemas que abordam. Os filósofos reconhecem claramente que o tipo de problema com o qual lidam é o mesmo desde que Sócrates discutia com seus concidadãos no século V a.C. O tipo de problema que a filosofia tenta responder é sempre conceitual.

Nisso, a filosofia se diferencia das outras ciências teóricas. A física não investiga conceitos, mas fenômenos, assim como a sociologia investiga fatos ou interações sociais, a psicologia investiga a psique humana, e a astrologia investiga as relações geométricas de uma configuração de um mapa astral. Nenhuma outra ciência investiga os conceitos.

Estudar filosofia, então, tem uma finalidade clara: alguém estuda filosofia para compreender melhor os conceitos que usa para que, finalmente, possa colocar o mundo em ordem. “Colocar o mundo em ordem” pode ser interpretado em mais de um sentido: você pode decidir que “colocar o mundo em ordem” significa agir politicamente; pode, por outro lado, decidir que “colocar o mundo em ordem” significa organizar seu mundo subjetivo, seus pensamentos, suas emoções; pode, ainda, decidir que significa compreender como e por que você pensa como pensa, sente como sente…

De qualquer modo, antes de você pensar que basta ler um livro de filosofia para conseguir colocar o mundo em ordem por meio do estudo dos conceitos, saiba que a filosofia não é uma atividade do tipo pague-leve, satisfação garantida ou seu dinheiro de volta. Para começar a fazer filosofia, para fazer filosofia com uma mínima competência, é necessário muito estudo. Anos de estudo. A vantagem é que você não tem que fazer uma faculdade, um curso, nem entrar em nenhuma seita religiosa ou gastar rios de dinheiro com terapia: você só depende de si mesmo, de seu tempo, de seu esforço e, talvez, da boa vontade de um professor que possa lhe ajudar.

Grande Loja do Estado de Mato Grosso
Emitido em 23/02/2019 04:47