Logo
Atendimento (65) 3319-3700

Segunda a Sexta-Feira das 12:00 às 18:00

Email para contato

[email protected]

'Esqueça um Livro e Espalhe Conhecimento'

23/07/2018

Por Luiz Fernando | Nesta quarta-feira (25), em todo o país pessoas esquecerão livros nos mais variados lugares numa iniciativa que vem ganhando cada vez mais adeptos. É a campanha “Esqueça um Livro e Espalhe Conhecimento", que na Capital contará com o reforço de peso do Instituto Histórico e Geográfico de Mato Grosso (IHGMT) e da Academia Mato-grossense de Letras (AML).

Realizada pelo segundo ano, a iniciativa faz parte de um projeto de incentivo à leitura e compartilhamento de conhecimento que não tem exatamente uma coordenação. Já se tornou domínio público

Algum leitor certamente já recebeu mensagens, especialmente via WhatsApp convocando voluntários para participarem da campanha. A ideia é deixar qualquer tipo de livro nos mais diferentes locais onde haja movimento de pessoas, com um bilhetinho. Nele, a sugestão é que se escreva apenas: “Ei, você que achou este livro! Agora ele é SEU!”. Realizada pelo segundo ano, a iniciativa faz parte de um projeto de incentivo à leitura e compartilhamento de conhecimento que não tem exatamente uma coordenação. Já se tornou domínio público.

Em Cuiabá, duas das mais antigas entidades culturais e de preservação intelectual do estado participam este ano, dando ainda mais importância e amplitude ao evento. A presidente do IHGMT, a historiadora Elizabeth Madureira, conta que chamou membros do instituto e da AML a levarem dois ou três livros cada para que sejam “esquecidos” no Palácio da Instrução, a partir das 14h desta quarta-feira (25).

Ela considera o local interessante para a ação porque tem um movimento intenso de pessoas, muitas delas visitantes da Biblioteca Estadual Estevão de Mendonça que existe no prédio. São obras dos mais diferentes gêneros, infantis, científicas, históricas. Algumas inclusive levam a chancela do IHGMT. Para Elizabeth, trata-se de uma iniciativa ótima que deve ser incentivada e propagada. A ideia, conta, é começar pelo Palácio da Instrução e depois seguir para a Praça da República, que fica em frente, deixando livros nos bancos e pontos de ônibus.

A historiadora, que já participou de outra iniciativa do tipo, lembra que geralmente as pessoas ficam receosas de pegar, achando que têm dono, mas os livros trarão os tais bilhetes colados na capa para que entendam a proposta e os levem.

Elizabeth ressalta que os interessados em participar podem ir ao Palácio da Instrução a partir das 14h, levando alguns livros para doação. Toda contribuição é bem-vinda.